quinta-feira, 12 de agosto de 2010

CRESCER - NOTÍCIAS - O ESTRANHO EM MIM.

Filme sobre depressão pós-parto leva o sofrimento das mães para o cinema
Com estréia prevista para 06 de agosto, produção alemã explora o tema de forma realista

Mudanças de humor, expectativa, cansaço, carinho, dúvidas e medos. Se você passou por tudo isso antes, durante e após a gravidez, saiba que não é a única. Muitas mães não sabem como lidar com as emoções causadas pela chegada de um bebê. Esse é o contexto mostrado no filme alemão dirigido por Emily Atef, O Estranho em Mim (2008), vencedor da Competição de Novos Diretores da 32ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.
A produção, que estréia dia 06 de agosto, conta a história de Rebecca (Susanne Wolff) e Julian (Johann von Buelow), um casal apaixonado que está esperando o primeiro filho. As cenas iniciais mostram uma mãe feliz no final da gestação e se alternam com cenas em que ela está perturbada e insegura após o parto. No filme, a depressão se inicia no momento em que Rebecca olha o filho, Lukas, pela primeira vez e não consegue reconhece-lo como parte de si. Ele é um estranho, como o próprio título diz. Ao contrário do que acontece na vida real, já que esses sentimentos de tristeza profunda e confusão geralmente se iniciam no último trimestre da gravidez.
A relação da mãe com o filho é tensa e a depressão de Rebecca se agrava quando, ainda na maternidade, ela não consegue amamenta-lo, pois o bebê se “recusa” a mamar. É possível sentir a angústia da personagem, principalmente nos momentos em que ela afasta o marido de si, transportando a tensão para o relacionamento do casal. Mal conseguindo disfarçar o incômodo que o filho lhe causa, ela não consegue olhar, segurá-lo no colo ou falar sobre ele. Uma das cenas mais marcantes é a de Rebecca tentando voltar ao trabalho. O olhar de Lukas a incomoda tanto que ela o vira para encarar a parede, mas a sua presença ainda é perturbadora, então ela o coloca em outro lugar da casa.
Desde esquecer o carrinho do filho na calçada até dar banho nele, colocando seu rosto por mais tempo debaixo da água, todas as cenas são intensas. A culpa e a melancolia fazem a personagem agir como se estivesse perdida em seus sentimentos. É só quando Rebecca é encontrada machucada no meio de uma floresta e internada em uma clínica que seu marido e sua mãe percebem o que está acontecendo. O apoio da mãe, assim como terapia e tratamento para reaproximar Rebecca do bebê são a chave para que ela comece a perceber que sente falta do toque e do carinho do filho.
A diretora e roteirista do filme, Emily Atef, conseguiu mostrar a dificuldade da mãe em se sentir segura e ter novamente a confiança dos amigos e familiares para se aproximar do próprio filho durante a recuperação. O que antes era um sofrimento por não conseguir amar o filho, se transformou em preocupação de recuperar a família. É emocionante ver o despertar de Rebecca para a beleza de ser mãe. Quase dá para esquecer que é apenas um personagem.

2 comentários:

☆ Lu ☆ disse...

Ai Ju...
Que lindo...
Mas sabe que eu vou ter que tomar bastante coragem antes de assistir esse filme? É que eu sempre fico mal, com qualquer coisa assim que eu assisto. rs só posso assistir comédia. :P

Hoje estava conversando com uma amiga minha, que tem uma colega grávida de gêmeos; contei o blog para ela e chegamos no assunto da informação e tal...pensei que os próprios obstetras deveriam orientar a mulher desde o período da gestação sobre a DPP, seria uma maneira a mais e tbm mais correta (orientação profisional) para evitarmos ao menos, DPP mais prolongadas, muitas vezes por falta de conhecimentp.

Vamos contnuar levantando essa "bandeira" dando força para as novas mamães enfrentarem as dificuldades e serem mais felizes com seus bebes.

Ju, minha GO disse que quem teve DPP no primeiro filho, pode ternovamnete no segundo. (ja fiquei balançada) que informações vc sabe sobre isso?? Ja falou disso aqui no blog??

Beijos
Lu

An@ Paul@ disse...

Ju obrigada por todo carinho em seus coments no meu cantinho...

Eu to quase sem tempo de ler todos os cantinhos, mas qdo tdo se normalizar, volto pra ler tudinhoooo por aqui!!!

beijokas no S2

 

DEPRESSÃO PÓS-PARTO Copyright © 2010 Customizado por Layout para blog